Como o bebé e a mãe comunicam durante a gravidez

Gravidez, Lifestyle Gravidez

21 de Junho de 2021

O bebé dentro da barriga da mãe é um ser muito sensível e consciente que responde aos sinais, sentimentos e experiências internas da mãe. Costumo dizer que o útero da mãe é a primeira escola do seu bebé e é também o seu primeiro lar e aconchego. O desenvolvimento do bebé é fortemente influenciado pelo bem-estar físico, mental e emocional da mãe, bem como pela perceção que a mesma tem do mundo à sua volta.

Durante a gravidez muitas mães questionam-se se o seu bebé está ou não em permanente comunicação com elas, e a resposta é sim. Segundo o Dr. Thomas Verny, psiquiatra, autor, e pai da psicologia pré-natal, existem três canais de comunicação primordiais entre mãe e o seu bebé no útero:

1. Comunicação neuro-hormonal

Acontece através da placenta e da circulação umbilical. A mãe é capaz de comunicar com seu bebé através da libertação de hormonas. Por exemplo, se a mãe está ansiosa, e sobre stress, o seu corpo começa a produzir uma ação hormonal em cadeia para dar resposta ao seu estado, e várias hormonas de stress são libertadas na sua corrente sanguínea, o seu batimento cardíaco aumenta, o ritmo da sua respiração fica mais rápido, e por aí em diante. O bebé fica inquieto pois começa a receber diferentes trocas hormonais. Por outro lado, o bebé também começa a produzir uma série de hormonas com vista a influenciar o estado da mãe, ajudando-a a acalmar-se e a relaxar, retornando ao seu equilíbrio, para uma ótima gravidez.

2. Comunicação comportamental

Esse tipo de comunicação acontece quando a mãe fala, canta, dança, quando está zangada ou simplesmente triste, quando está a partilhar sentimentos de amor ou de desinteresse total para com o seu bebé.

O bebé também comunica com a mãe através do seu comportamento. O bebé dá pontapés como se estivesse a chamar a atenção da mãe ou apenas estica os seus membros quando acorda, o bebé move-se com harmonia no útero ou dá pontapés com força quando se sente inquieto.

3. Comunicação psíquica

Aqui entramos no campo da física quântica que afirma que quando duas partículas estiveram ligadas uma vez e depois são separadas, elas ainda estão de alguma forma em contacto. É isso que acontece com os gémeos quando um consegue sentir o que o outro está a vivenciar, mesmo separados por quilómetros, e isso também acontece entre a mãe e seu bebé no útero. A mãe sente o que o bebé está a sentir e vice-versa.

Estas são vibrações que nosso cérebro capta, e são numerosos os testemunhos de mulheres que sonham com o seu bebé, intuindo que algo não está bem, ou sentindo sensações de extrema felicidade que não sabem explicar e reconhecendo que tudo vem do seu bebé. Talvez ainda não sejamos capazes de medir estas vibrações, mas certamente existem mais perceções que os nossos sentidos e a dedução lógica não
alcança.

Como o yoga durante a gestação pode ajudá-la?

É através da consciencialização do seu corpo, do movimento lento e das paragens nos ásana, da respiração mais lenta e tranquila, do relaxamento físico e psíquico, que a mãe consegue abrandar o seu ritmo, voltando a sua atenção para dentro, para si e para o seu bebé, tomando consciência da íntima ligação e comunicação entre os dois.

Assim, a mãe toma consciência das suas emoções e com a prática regular aprende a criar novas sensações positivas do seu corpo e na sua mente, influenciando o todo o seu sistema nervoso central, intimamente ligado à sobrevivência e desenvolvimento do seu bebé, serenando os seus pensamentos e, tornando-se mais sensível à comunicação que existe entre ambos.

Artigo escrito pela Professora de Yoga e Educadora Pré-Natal Susana Lopes,
Fundadora do projeto Yoga e Maternidade

Partilhar artigo

Artigos Relacionados